Top 5 - Piores filmes de 2011

.
#5 - HOP: Rebeldes sem Páscoa, de Tim Hill.


"E, se você está surpreso por vê-lo numa obra desse tipo, uma vez que a carreira dele parecia tão promissora, especialmente após a participação dele em obras como “Superman – O Retorno”, “Hairspray – Em Busca da Fama”, “Vestida Para Casar” e “Encantada”, não fique triste por ele, porque aqui ele atua numa posição de protagonismo que ele merecia há muito tempo – pena que seja num filme que não vai causar repercussão nenhuma à sua carreira." [Crítica completa no Cinéfila por Natureza]

#4 - A Saga Crepúsculo - Amanhecer: Parte 1, de Bill Condon.


"O resultado foi essa primeira parte insossa, que só começa a interessar no ato final e ainda dá uma sensação de desperdício de energia devido à forma como o conflito é desfeito. [...] Mas, o que realmente incomoda em Amanhecer é o tom repetitivo e arrastado do roteiro. Temos a eterna briga entre lobisomens e vampiros, com Bella no meio. Temos Bella sofrendo por Edward mesmo depois de casada. Temos Jacob revoltado com as escolhas da amada. [...] O filme não tem ritmo, é lento, cansativo e com pouco sentido." [Crítica completa do CinePipocaCult]

#3 - Transformers: O Lado Oculto da Lua, de Michael Bay.


"Fiquei admirado, no entanto, ao ver Michael Bay enrolando a plateia. Transformers 3 tem muito papo furado, dezenas de personagens – a maioria deles deslocados, como os pais do protagonista Sam Witwicky (Shia LaBeouf). É notória a preocupação do diretor em achar espaço para algo tão dispensável como uma história. Só que, gente, ele não sabe fazer isso." [Críticacompleta do Hollywoodiano]

#2 - Família Vende Tudo, de Alan Fresnot.


 "Uma coisa comum em longas de comédia é querer construir alguns arcos dramáticos para levantar questões sociais. [...] O politicamente incorreto – com direito a criança fumante e prostituição incentivada – infelizmente não foi tão engraçado como deveria e fica perdido em sua própria embalagem superficial." [Crítica completa no Galvanismo]

#1 - Um Lugar Qualquer, de Sofia Coppola.


"Quando você tenta errar e consegue, você está diante de um paradoxo. Assim Sofia Coppola prepara a armadilha de "Um Lugar Qualquer". O filme é uma clara tentativa de personificar o tédio e o vazio. E consegue. É o puro elogio ao ócio. [...] Um lugar qualquer, que decide ir a lugar nenhum. E essa é a real intenção do filme. Um lindo paradoxo. Um poeta que se encanta (e se contenta) com o papel em branco." [Crítica completa aqui no Pipoca com Manteiga]


2 comentários:

  1. Adorei a inclusão de "Um Lugar Qualquer", que é o pior filme da Sofia Coppola, mas acho essencial a presença de "Reféns", que é uma tragédia completa!

    ResponderExcluir
  2. Olá

    Esse link foi inserido no site ultrablogs.com.br
    Parabéns pela postagem.
    Quando quizer, poderá também inserir uma postagem no ultrablogs. Envio ilimitado de links.

    Até mais!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...